Liga das Séries » Arquivos » ‘Suits’: Sarah Rafferty avalia o futuro incerto de Darvey
SUITS -- "Inevitable" Episode 713 -- Pictured: Sarah Rafferty as Donna Paulsen -- (Photo by: Ian Watson/USA Network)
18
abr
2018
‘Suits’: Sarah Rafferty avalia o futuro incerto de Darvey
Postado por Drix, emEntrevista, Spoilers, Suits

Suits vem jogando o jogo de vai-não-vai com Harvey (Gabriel Macht) e Donna (Sarah Rafferty) desde o início da série, mas atingiu novos níveis na segunda metade da 7ª Temporada. Mudando tudo com o beijo no final da metade da temporada, coloque-os em rota de colisão pra decidir de uma vez por todas se Donna e Harvey têm o que é preciso para ficarem juntos.

Mais recentemente, Harvey desistiu de seu relacionamento mais promissor com sua ex-terapeuta, Paula (Christina Cole), a fim de manter Donna na empresa. Foi a primeira vez que ele fez um sacrifício tão pessoal por Donna, mas não terminou com o entusiasmo dos torcedores. Em vez disso, Donna convidou Harvey para o apartamento dela e ele recusou com uma palavra enigmática: “Hoje não”.

O TV Guide conversou com Sarah Rafferty sobre esses malucos sinais mistos e o que significa para “Darvey” entrar no resto da temporada.

No final do último episódio, Donna convidou Harvey para uma bebida. Isso foi estritamente uma bebida “Hey, vamos voltar aos trilhos” ou foi uma bebida “Vamos falar sobre nós sermos mais”?

Sarah Rafferty: Essa é precisamente a ambiguidade pretendida, da maneira como fomos direcionados naquela cena. E fiquei realmente surpresa que era isso que eles queriam que fosse. Eu acho que a minha resposta para você é, provavelmente foi as duas coisas, mas nesse típico jeito de Darvey, onde eles pensam que significam uma coisa, e talvez o subconsciente deles signifique outra. Eu acho que quando Donna fez a pergunta, ele viu seu amigo sofrendo, e foi a coisa certa a fazer, dizer: “Eu ficarei acordada até as 4 da manhã se você quiser falar sobre sua namorada. Podemos falar sobre o que está acontecendo com você, podemos fazer chá, o que for. ” Mas eu acho que sempre há esse elemento, o que Donna e Harvey não estão realmente dizendo a si mesmos sobre como se sentem.

Depois do beijo, Donna foi um tanto inflexível que não sentiu nada, mas Harvey disse que sentiu algo antes de continuar com toda a sua espiral de raiva. O fato de ele ter sentido algo mudar como ela percebe o beijo agora?

Rafferty: Eu acho que ela foi pega naquele momento, naquele momento de pânico – sua conversa com Mike e sua conversa com Louis, que levou a esse beijo. Ela estava realmente abalada sobre, bem, quais são meus sentimentos? E questionando isso. E ela achou que precisava checar isso. E então, novamente, ela não sentiu o que achava que iria sentir. Não se mexeu, não abalou a terra por ela. Ou pelo menos foi assim que ela percebeu.

Eu acredito que ela pensa que está dizendo a verdade quando faz isso, mas, novamente, ela tem um subconsciente, que ela não está ciente, operando. Eu acho que ambos passam por esses fluxos e refluxos. Eu acho que pode ser por isso que isso é tão lento, é que eles têm momentos em que sentem algo, e eles têm momentos em que não sentem nada, o que parece ser humano. O que significa para Donna que ele finalmente a colocou em primeiro lugar, depois de fazer isso por tantos anos?

Rafferty: Eu acho que, obviamente, significa muito para ela. Isso é exatamente o que ela disse a ele naquela cena. Ela disse: “Eu quero que você me coloque em primeiro lugar como eu tenho colocado você em primeiro lugar por anos.” Você sabe? Com lágrimas escorrendo pelo rosto. Aquela traição que ele cometeu por ter Stu Buzzini lhe oferecendo um emprego – isso foi muito doloroso para ela. Então olhe, quem não quer ser escolhido? É bom ser escolhido. Mas acho que ela carrega uma tremenda quantidade de culpa também, que talvez ela tenha quebrado o relacionamento. E eu, pessoalmente, como atriz, estou chateada porque tenho que lhe dizer, adorei trabalhar com Christina Cole. Espero que haja alguma maneira de ela poder voltar.

O beijo já complicou sua relação de trabalho. Quanto tempo levará para que possamos ver que eles têm aquela conexão psíquica quase limítrofe, de novo?

Rafferty: Em breve, como em alguns episódios. E então, no final da temporada, eles estão totalmente conectados. Quero dizer, você provavelmente já viu fotos do final, eles estão dançando um com o outro. Eles estão nos braços um do outro, eles são realmente parceiros, quando saímos da 7ª temporada, e sabemos que vamos avançar com eles como um time, o que é ótimo, eu acho. É assim que deve ser, à medida que avançamos.

Suits - Season 7

Você sabe, eu acho que você se concentrou no fato de que Harvey admitiu que sentiu algo. E eu penso, novamente, que isso afeta o senso de responsabilidade e senso de culpa de Donna, um pouco. Mas ela sabe que cometeu um erro ao fazer isso, e por isso vai tentar ser a melhor parceira para ele, seguindo em frente. E parceiro é realmente… Não parece ter bastante gravidade para o que eles têm. Quero dizer, eles têm uma parceria muito bagunçada e complicada. Nós nunca podemos realmente colocar nosso dedo nisso. Está sempre em movimento, penso, momento a momento. Bem, desde que o beijo não abalou a terra para Donna, há uma chance de que possamos ver Jay Harrington voltar ao show?

Rafferty: Eu twitei isso, duas noites atrás. E Jean Klein, um dos nossos produtores, favoritou ou algo assim. E eu fiquei tipo “Talvez eles estejam me ouvindo!” Sim, mais Jay Harrington. Eu acho que isso seria ótimo. Isso não seria divertido? Eu adoraria que Jay Harrington voltasse. Eu me diverti muito trabalhando com ele. E eu ainda gostava de ver aquele lado de Donna, a solidão surgir e a confusão… Donna e Mark realmente eram bons juntos, parecia.

Eu definitivamente pensei que eles eram. Eu estava tipo, se ela não vai ficar com Harvey, então esse é o cara que eu posso aprovar.

Rafferty: Sim, eu também. Eu concordo plenamente.

Suits continua às quartas-feiras nos EUA.

Leia também