Liga das Séries » Arquivos » Produtor executivo de ‘Arrow’ sobre quem está na sepultura: “Estar morto não é um adeus”
arrow
05
abr
2016
Produtor executivo de ‘Arrow’ sobre quem está na sepultura: “Estar morto não é um adeus”

Na quarta-feira, Arrow vai finalmente revelar a identidade da pessoa na sepultura. Como o episódio de estreia da 4ª temporada revelou, alguém próximo a Oliver (Stephen Amell) e Barry Allen (Grant Gustin) foi morto por Damien Darhk (Neal McDonough). Felicity (Emily Bett Rickards) foi mais tarde descartada, mas todos os outros membros da equipe permanecem em risco.

Os produtores Marc Guggenheim e Wendy Mericle prometem que esta morte não será falsa, mas eles disseram que não significa necessariamente que o falecido não aparecerá novamente, quer seja através do Poço de Lázaro, universos paralelos ou  viagem no tempo.

“Estar morto não é um adeus”, Guggenheim disse a repórteres em uma exibição para a imprensa na segunda-feira. “Nós definitivamente reconhecemos em todos os três shows [Arrow, The flash, Legends of Tomorrow] que, quando matamos um personagem, isso significa algo diferente agora. Eu não vou colocar um julgamento qualitativo sobre se é mais ou menos impactante… Mas, certamente, reconhecemos que há uma diferença. E Arrow, muito mais do que Flash ou Legends, está mais ligado a morte. Para melhor ou pior, a morte é parte do show. O que estamos descobrindo, enquanto nós pensamos na 5ª Temporada, [é] que o show tem que evoluir, tem que mudar e o conceito de morte está evoluindo e mudando, como já vimos com Sara Lance”.

Mas antes de o falecido ter a oportunidade de potencialmente voltar, Arrow primeiro tem de explorar exatamente como esta perda afeta o resto do Time Arrow.

“Eu vou dizer que os episódios que nós escrevemos no rescaldo são devastadores e eles foram feitos para ser. Nós queríamos explorar isso e realmente todos sentem o impacto dessa perda”, disse Mericle. “É uma mudança de jogo de uma forma muito triste em que estamos perdendo um personagem amado, mas também no sentido de grandes movimentos pois isto irá abrir novos caminhos para contarmos histórias e forçará os nossos personagens a repensarem suas decisões e repensarem os seus objetivos”.

Leia também



Parceiros